Retail ou Wholesale: conheça os modelos de contratação para o seu data center

Leitura de 11 min
15/06/21

Se você já está considerando mover seu data center tradicional para uma instalação mais moderna, como a de Colocation, já deve ter se deparado com uma dúvida importante: ‘retail ou wholesale, qual a diferença entre esses dois modelos de contratação?

Basicamente, essa dúvida consiste de escolher entre a aquisição de serviços de varejo ou de atacado.

Então é simples assim? Não necessariamente.

Há algum tempo, considerava-se um data center de atacado (ou wholesale) aquele em que um único cliente alugava toda uma instalação de propriedade de um terceiro; enquanto uma infraestrutura de varejo abrigava diversos clientes em um espaço compartilhado (ainda que em racks próprios).

Hoje, no entanto, os provedores de serviços de data center estão trabalhando com o aluguel de grandes áreas para clientes específicos, com contratos altamente personalizados, sob uma abordagem que se assemelha ao modelo de atacado.

Então, na prática, quais seriam as diferenças reais? E o que você deve levar em consideração ao decidir qual abordagem se encaixa melhor em sua organização?

Acompanhe o nosso raciocínio neste artigo e descubra.

Boa leitura!

A modernização dos data centers e o sucesso do negócio

Empresas com visão de futuro entendem a crucialidade de sua infraestrutura de TI para a evolução do negócio na economia digital. Desse modo, potencializar dados e ativos digitais, que necessariamente são hospedados em um data center, significa atribuir à empresa uma importante vantagem competitiva.

E claro, com a consequente oportunidade de otimizar o desempenho da operação.

Tal afirmação torna-se especialmente verdadeira ao passo em que o desempenho tecnológico está diretamente relacionado à:

  • velocidade da informação
  • à qualidade da conectividade
  • e ao acesso ao ambiente de nuvem.

E, consequentemente, cada uma dessas atividades é suportada por uma infraestrutura de data center.

Apesar de um declínio de 10,3% nos gastos com data center em 2020, devido à restrição de fluxo de caixa no período inicial da pandemia, o Gartner afirma que os investimentos em infraestrutura de data center crescerão pelo menos 6% até o final de 2021, em todo o mundo. Nesse ritmo, o mercado de data centers promete avançar ano a ano até 2024.

Isso mostra que, desde algum tempo, as empresas já têm compreendido os benefícios de migrar seu data center para as instalações de um provedor especializado. Entre elas, pode-se destacar a redução de despesas, o redirecionamento dos esforços das equipes internas para o core business, incremento das condições de segurança e melhoria dos indicadores de sustentabilidade.

Existem data center terceirizados de formatos, tamanhos e usos diversos. No entanto, de um modo geral, podem ser agrupados em duas abordagens principais: atacado e varejo.

Mas antes de nos aprofundarmos nas vantagens de cada um desses modelos, para que você possa escolher entre retail ou wholesale, vale antes entender o conceito do serviço que os une: o Colocation.

Ebook guia definitivo para migrar sua infraestrutura de TI para um Data Center moderno, flexível e escalável

Vantagens de manter seu data center em uma estrutura especializada

A nomenclatura colocation (ou co-location ou, simplesmente, “colo”) refere-se à maneira como os equipamentos e recursos de TI são alocados em instalações fisicamente separadas da sede da empresa.

O Colocation consiste, basicamente, de uma instalação de data center mantida por um provedor especializado, do qual uma empresa cliente pode alugar espaço para alocar seus servidores e outros hardwares de computação.

Assim, os provedores de colocation como a ODATA alugam seu espaço para empresas, agências governamentais e outros provedores de serviços. Nesse contrato, os clientes recebem uma solução de hospedagem pronta para uso, que normalmente inclui:

  • espaço escalável
  • circuitos de energia
  • refrigeração
  • ultraconectividade de rede
  • segurança física
  • limpeza
  • e monitoramento de sistemas críticos.

Assim, um provedor de Colocation fornece a construção, refrigeração, energia, largura de banda e segurança física, enquanto o cliente mantém seus servidores e estrutura de armazenamento.

Isso geralmente se refere aos recursos de hardware de rede de propriedade de uma organização, como servidores da Web ou de banco de dados, que estão alocados fora das instalações da organização e “co-localizados” nas dependências de outra organização.

Há vários motivos pelos quais uma empresa pode escolher um serviço de colocation em vez de construir ou manter o próprio data center. Um dos principais motivadores é o Capex (despesas de capital) associado à construção, manutenção e atualização de uma grande instalação de computação.

Desse modo, seja no modelo de retail ou wholesale, o serviço permite que o cliente hospede sua infraestrutura de TI de missão crítica externamente em um ou mais locais de data center.

Com isso, as instalações de colocation também são frequentemente utilizadas ​​para a implantação de redundância de data centers e para operações de recuperação de desastres (ou o termo em inglês disaster recovery, como é mais conhecido). Atualmente, também têm se destacado, especialmente, entre os provedores de serviços em nuvem e os provedores de internet (ISPs).


LEIA MAIS: Como o colocation ajuda a reduzir custos e a aumentar a disponibilidade de TI


Retail ou wholesale? As principais modalidades do colocation

O espaço nas instalações de colocation pode ser contratado em algumas modalidades como retail ou wholesale, entre outras (isso é, alugando-se um ou mais racks, gabinete, a sala toda ou o prédio inteiro). Por isso, vale aqui explicar dois dos principais:

. Retail:

Retail colocation é uma instalação de data center que tem a possibilidade de ser sublocada por vários locatários. Essa infraestrutura pode ser composta por servidores físicos ou virtuais, dispositivos de armazenamento, roteadores e switches de rede e outros equipamentos e hardware.

De um modo geral, o (ou colocation de varejo) é definido por um volume de contratação de alguns racks, ou gabinetes. Esse espaço normalmente inclui um ou mais racks – seja localizados lado a lado ou dispersos pelo edifício, mas conectados entre si por conexões cruzadas em vez de estarem em um cage privado.

. Wholesale:

De um modo geral, o wholesale colocation – ou locação no modelo de atacado, consiste da oferta de salas de data center ou de um edifício inteiro a uma única empresa, com a possibilidade de acesso individual e isolado. Desta forma, o wholesale se destaca como opção ideal para ambientes de cloud computing e HPC (sigla para computação de alta performance, em inglês).

Desse modo, os clientes passam a ter um ambiente próprio (normalmente no modelo ‘white label’) para instalar todos os equipamentos do seu data center (incluindo servidores, storage etc.), com níveis de redundância e de energia definidos a partir de suas necessidades.


LEIA MAIS: Por que o Colocation é fundamental para o futuro da nuvem híbrida


Check-list: 5 fatores para escolher entre Retail ou Wholesale

Após analisarmos os benefícios do colocation e as características dos principais modelos, listaremos abaixo cinco fatores essenciais a serem levados em consideração ao se decidir entre a contratação de retail ou wholesale. Veja quais são elas:

1. Tamanho e características do seu data center

A primeira consideração para se escolher entre retail ou wholesale é o tamanho geral do data center. Como exemplo, se a sua organização dispõe de algumas dezenas de servidores a serem movidos para uma infraestrutura especializada, o varejo (ou retail) é provavelmente a melhor direção a seguir.

Por outro lado, caso você seja responsável por uma arquitetura que envolve milhares de servidores, muito provavelmente precisará de uma abordagem exclusiva e mais flexível. E, oportunamente, isso inclui sistemas de distribuição de energia, resfriamento direcionado e monitoramento ambiental mais aprofundado.

Características como essas apontam para a necessidade de um contrato de atacado (ou wholesale), que permita a personalização dos serviços para as suas demandas.

2. Custos

Obviamente, toda personalização de serviços tem um preço – e é nesse quesito que muitas organizações descobrem que o atacado não é para elas.

No geral, a escolha entre retail ou wholesale, para a maioria das organizações, se resumirá a uma combinação de tamanho e custo.

Consequentemente, boa parte dos gestores de TI considerará a simplicidade e os custos de uma instalação de retail colocation bons o suficiente para acomodar suas cargas de trabalho. Alternativamente, para aqueles com especificações de hiperescala, supercomputação ou outras necessidades específicas, uma abordagem de wholesale pode ser a mais indicada.

3. Conectividade

A conectividade é uma parte essencial das competências dos provedores de serviços de colocation. Como tal, é provável que haja pouca diferença na entrega da largura da banda de Internet entre os serviços de retail ou wholesale.

Há, também, a questão das conexões internas cruzadas. Novamente, esta é uma seara na qual as diferenças entre atacado e varejo estão diminuindo. Antigamente, as instalações de atacado não se incomodavam com isso, pois a gestão das operadoras ficava a cargo do cliente.

No entanto, os fornecedores de colocation viram a necessidade de otimizar a conectividade. Por isso, passaram a apostar na neutralidade de operadora, integrando serviços de diversos provedores de internet e as principais nuvens, como AWS e Azure.


LEIA MAIS: Como um Data Center Neutro pode garantir sua conectividade em tempos de crise


4. Energia

Fornecer energia suficiente para manter a operação de plataformas extremamente densas, como supercomputadores ou sistemas altamente ajustados com servidores otimizados, GPUs e outros mecanismos de computação dedicados podem exigir densidades de energia bem acima daquelas que uma instalação de retail pode entregar.

Isso também tem um efeito no backup de energia auxiliar: os clientes de wholesale – especialmente as operações de missão crítica – precisam de 100% de tempo de atividade para a plataforma total. Nesse modelo, as necessidades de distribuição de energia são projetadas desde o início, na construção do edifício, e a tal disponibilidade é incluída no contrato.

5. Refrigeração

O outro lado do fornecimento de energia é, obviamente, a disponibilidade de resfriamento suficiente. E isso pode ser um problema para uma instalação de retail padrão, caso o provedor não disponha de uma estrutura robusta provisionada desde a concepção do edifício.

O resfriamento é, geralmente, construído para dar suporte a toda a instalação; não é fácil readaptar recursos extras de arrefecimento para dar suporte a um único cliente. Caso haja especificidades na demanda, o provedor de wholesale deverá assegurar o esfriamento específico, conforme exigido pelo cliente, como parte do projeto original e da função de construção.

Como exemplo, os chillers de última geração instalados nos data centers da ODATA contam com tecnologia de “indirect free cooling”. Ou seja, quando o ar externo está mais frio que a temperatura da água que resfria o ambiente, o sistema de ar condicionado utiliza-se da temperatura externa para arrefecer o ambiente, economizando energia.

Data Centers ODATA: portfólio completo para diferentes objetivos

Colocation é a especialidade da ODATA. Nesta modalidade, os clientes mantêm equipamentos próprios em um espaço dedicado, compartilhando da escala do edifício quanto à eletricidade, à banda internet e ao time de operações. Assim, entrega a melhor infraestrutura de data center da América Latina, com padrões internacionais e disponibilidade 24x7x365.

Esta solução é voltada, prioritariamente, a empresas com alto potencial de crescimento, além da necessidade progressiva de armazenamento de informações e dados. Por esse motivo, tais clientes buscam espaço físico adequado para a evolução de suas operações de TI, com escalabilidade, flexibilidade e segurança.

Dentro da modalidade de colocation, a ODATA oferece soluções como:

  • RACKS: a ODATA oferece racks fechados de alta densidade energética e conectividade modular por meio de uma rede de baixa latência pré-conectada. Os racks possuem uma alta densidade de energia, que é configurável, disponíveis em opções de 60 cm ou 80 cm de largura, e 105 cm ou 120 cm de profundidade – e com 48 Us de altura;
  • CAGES: são oferecidos com todos os diferenciais do wholesale, incluindo toda a segurança, em gradis fechados, ou seja, em ambientes menores. Cada cage oferece controle de acesso individualizado. As salas de TI são providas de corredores quentes e corredores frios, além de alta densidade de energia por rack;
  • WHOLESALE: espaços dedicados ideais para ambientes de cloud computing e HPC (sigla para computação de alta performance, em inglês);
  • BUILT TO SUIT: Para operações maiores ou necessidades ainda mais específicas, a ODATA constrói e opera data centers dedicados, geralmente monousuário, sempre aplicando o seu know-how e capital próprio na concepção, projeto, construção e, por fim, na operação, atendendo a todos os requisitos necessários e definidos em conjunto com o cliente.

CASO DE SUCESSO: Em tempo recorde, ODATA migra e implanta Data Center da SOAP em Colocation


Conclusão

O que é melhor para seus requisitos atuais de infraestrutura de TI: retail ou wholesale? Como vimos, a resposta realmente depende do cliente e do provedor de serviços de colocation.

Então, seria possível economizar na contratação de um edifício de wholesale em vez de retail? sim. No entanto, há um compromisso maior em termos de NRC, MRC e de duração do contrato.

Quer saber mais sobre as opções de colocation? E se a modalidade de retail ou wholesale é a mais adequada para seus requisitos de TI?

Entre em contato e conheça mais sobre a ODATA, a mais moderna empresa de Data Center da América Latina

E-BOOKS exclusivos

Para você conhecer mais sobre o mundo do Colocation

O guia definitivo para migrar seu Data Center

Fazer o download

Entenda os fundamentos básicos para escolher um modelo de data center

Fazer o download

Assine nossa newsletter

Copyright © 2020 ODATA - Todos os direitos reservados.