Provedores de nuvem buscam colocation na ODATA

Por que provedores de serviços de nuvem estão buscando o Colocation?

Leitura de 9 min
05/05/20

O avanço das inovações tecnológicas baseadas em nuvem vem se destacando como unanimidade entre as principais tendências para os próximos anos, especialmente na recuperação do mercado no pós-crise da Covid-19.

Como consequência da pandemia, a International Data Corporation (IDC) espera uma redução global de 2,7% nos gastos com TI em 2020, em comparação com a estimativa divulgada no final do ano passado. No entanto, seus analistas preveem um aumento de 5,3% nos gastos totais com infraestrutura (incluindo cloud computing).

Mas a que se deve esse contraponto? A IDC atribui esse crescimento aos gastos corporativos em infraestrutura como serviço (IaaS) e aos gastos com provedores de servidores em nuvem.

Enquanto isso, espera-se que os gastos gerais com hardware de servidor e armazenamento serão reduzidos em 3,3%,  enquanto as despesas com equipamentos de rede corporativa cairão 1,7%.

Essa estimativa comprova o movimento de migração de Data Centers tradicionais para soluções mais modernas, como o Colocation e a Nuvem Híbrida.

E se, cada vez mais, o futuro aponta para a adoção de soluções virtualizadas, como será que os fornecedores desta tecnologia estão se preparando para atender à crescente demanda?

Provedores de serviços de nuvem (CSPs) precisam garantir disponibilidade, segurança e baixa latência aos workloads dos usuários, independentemente de onde estejam fisicamente alocados os seus servidores. E, para isso, precisam ampliar seus Pontos de Presença.

Em linha com esse movimento, a ODATA – detentora de uma da mais modernas infraestruturas de Data Centers da América Latina -, está ampliando sua operação para suportar a expansão dos Cloud Services Providers  no Brasil. Recentemente, assinou um contrato de Wholesale Colocation com um dos maiores CSPs do mundo.

Mas, na prática, como se dá a relação da nuvem com o Colocation? Seriam soluções concorrentes para um mesmo problema?

Siga conosco na leitura desse artigo e saiba tudo sobre essa parceria interconectada.

Como funcionam os provedores de serviços de nuvem?

Cloud Services Providers (CSPs) são empresas especializadas que oferecem serviços remotos de processamento, rede, armazenamento, infraestrutura completa e/ou de softwares, que são utilizados por seus clientes por meio de conexão dedicada ou internet.

E para que possam funcionar, tais serviços e aplicações rodam em máquinas que precisam estar fisicamente hospedadas em um Data Center – que, por sua vez, necessitam de conectividade de rede para serem acessados pelos seus usuários – sejam eles empresas ou indivíduos.

Desse modo, os CSPs os atendem remotamente, de forma virtualizada e totalmente segura, a partir de estruturas compartilhadas.

Um dos grandes potenciais benefícios de se contar com o serviço de provedores de nuvem está na economia. O Gartner defende que a otimização de custos será a grande responsável por impulsionar a sua adoção:

“Até 2024, quase todas as aplicações legadas que forem migradas para infraestruturas de nuvem pública como serviço (IaaS) exigirão otimização para se tornarem mais econômicas. Assim, os provedores de nuvem continuarão a fortalecer seus recursos de otimização nativos, para ajudar as organizações a selecionarem a arquitetura mais econômica e capaz de oferecer o desempenho necessário”.

CSPs estão ampliando seus Pontos de Presença em todo o mundo

Pontos de Presença (ou Point of Presence – POPs) são estruturas por meio das quais duas ou mais redes (ou dispositivos de comunicação) estabelecem uma conexão entre si. Trata-se de um ponto de acesso, local ou instalação, que permite a outros dispositivos a conexão com outras redes ou mesmo a Internet.

Um POP geralmente é uma instalação com equipamentos de rede, ou mesmo nó de rede, do CSP para conexão e distribuição de seus serviços.

Assim, o CSP cria e mantém POPs em locais diferentes, para atender a uma gama de usuários fisicamente mais próximos de suas instalações. Com isso, beneficiam-se da conectividade de seus parceiros, oferecendo acessibilidade com latência minimizada e redundância.

Uma empresa ou parceiro que utiliza serviços de um CSP, para uma experiência melhor e estabilidade de conexão, vale-se da proximidade ao POP deste CSP.

Ebooks Os principais fundamentos para contratar serviços de colocation

Por que os provedores de nuvem estão buscando o Colocation?

Há quem diga que Cloud e  Colocation são remédios distintos para a mesma dor: a modernização de Data Centers. Então, por que um CSP estaria interessado em contratar um provedor de  serviços de Colocation?

Porque, na verdade, são soluções complementares. 

Visualize este fluxo:

  • mais usuários contratando serviços de nuvem
  • para atendê-los, CSPs precisam ampliar a capacidade de seus servidores
  • os servidores precisam estar fisicamente alocados em algum Data Center
  • a distância física do Data Center até o local onde o usuário está impacta na qualidade e na disponibilidade da rede
  • Busca de oferta de Colocation, expansão e diversidade de locais. A construção de diversos Data centers em diferentes países dificultaria a expansão global dos CSPs e impactaria a qualidade de entrega ao seu cliente.

O CSP, por uma questão estratégica, precisa estar alocada em um Data Center neutro, sem preferência de operadora. Um dos principais atributos do Colocation é a neutralidade de operadora. São inúmeras as vantagens de um Data Center neutro – também conhecido como carrier neutral.

Desta forma, o CSP garante ao cliente a utilização de qualquer operadora para se conectar à sua estrutura, proporcionando estabilidade na conexão e previsão de valores.

Provedores de serviços de Colocation estão entrando rapidamente em novos mercados, por serem capazes de lidar com volumes de dados exponencialmente crescentes e de trafegar essas informações mais rapidamente do que nunca.

Para isso, apostam no modelo de Wholesale, que oferece estruturas mais robustas para a evolução da cloud computing.

Wholesale Colocation Data Center: o que é?

O modelo de Wholesale Colocation Data Center consiste da oferta de prédios ou salas de uso exclusivo do contratante, com a possibilidade de acesso individual e isolado.

Assim, o cliente passa a dispor de um ambiente próprio para instalar sua infraestrutura de TI (servidores, storage, etc), com níveis de redundância e de energia definidos conforme suas necessidades. Nesta modalidade, a energia é mensurada e cobrada de acordo com o consumo.

Além do espaço, da energia e da conexão com diversos provedores de internet, na maioria dos casos o provedor de Wholesale Colocation também é o responsável por fornecer refrigeração e pelo sistema de segurança física. 

De acordo com um relatório da MarketWatch, o mercado global de Wholesale Colocation deve crescer a uma CAGR de 17% até 2024.

E à medida que procuram atender à demanda de seus clientes, de maneira rápida e eficiente, provedores de serviços de nuvem contribuirão mais e mais para esse aumento.

ODATA amplia Data Center para suportar expansão de grandes provedores de serviços de nuvem no Brasil

A ODATA está acelerando sua expansão na América Latina com a conclusão da terceira fase do SP01, seu Data Center instalado em São Paulo.

Com mais de 6MW de capacidade, a nova planta é parte do contrato de wholesale colocation firmado com um dos maiores provedores de serviços de cloud computing do mundo.

O mesmo CSP ainda assinou com a ODATA um segundo contrato de Ponto de Presença, em uma escala menor, mas com a mesma importância do projeto inicial de wholesale.

Entre as principais vantagens de um POP dessa grandeza se destaca a conexão direta com a estrutura de nuvem do provedor de cloud. Assim, oferece aos seus usuários uma performance aprimorada, com baixa latência, segurança e escalabilidade.

Com três prédios modulares, o novo Data Center passará a dispor de quatro salas de TI com alta disponibilidade, com capacidade para abrigar mais de 600 racks exclusivos para o atendimento às operações deste CSP.

Agora, qualquer empresa que venha a se conectar à nuvem deste provedor estará trafegando dentro da estrutura da ODATA.

Sobre o Data Center ODATA SP01

Construído para abrigar infraestruturas de nuvens públicas e privadas, suportando racks de alta densidade, o ODATA SP01 é um dos mais avançados Data Centers de Colocation de toda a América Latina. Está em operação desde 2017 e já conta com grandes clientes em seu portfólio. 

São cerca de 13.500 m² de área construída, dos quais 5.600 m² são de piso elevado. O terreno de 22.800 m² localizado em Santana do Parnaíba, há 30 km da capital, garante fácil acesso às rodovias Castelo Branco (SP 280) e Anhanguera (SP 330).

O Data Center SP01 é altamente eficiente na operação e no consumo de energia. Todas as instalações são gerenciadas por sistemas integrados e contam com diversas camadas de automação. Isso proporciona ao cliente final segurança e a visão total de seu ambiente de TI.

As salas de TI são dedicadas à operações de missão crítica. Todos os equipamentos prediais do SP01 (PDUs, CRAHs e STSs) localizam-se em corredores técnicos, separados das áreas de TI.

Todas as salas contam com um sistema de detecção precoce de fumaça (Very Early Smoke Detection Apparatus – VESDA), de supressão de chamas com sistema de gás (Ecaro 25 – Clean Agent Fire Suppression) e sprinklers com dry-pipe.

Há, ainda, a disponibilidade de escritórios para clientes no prédio administrativo do DC SP01, incluindo NOCs (Network Operations Centers), ambientes de contingência, salas de reuniões e vagas de estacionamento.

O SP01 foi o primeiro Data Center de Colocation do Brasil a conquistar o certificado LEED Gold, conferido pelo US Green Building Council. Além disso, mantém a certificação de design, projeto e construção Tier III do Uptime Institute.

A ODATA prevê um investimento de R$250 milhões para a conclusão do seu plano de expansão em São Paulo – incluindo a operação do SP02, instalado em Hortolândia, que começou a operar no início de 2020 com 8 MW e tem previsão de chegar a 40MW.

Por que a ODATA?

A ODATA é uma provedora de serviços de Data Centers de origem brasileira, dedicada a fornecer infraestruturas de TI escaláveis, seguras e flexíveis na América Latina. Dispõe de cerca de 35 MVAs de capacidade, distribuídos em três plantas no Brasil e uma na Colômbia.

Especializada em Colocation, a ODATA suporta as crescentes demandas de energia, espaço e segurança de organizações de diversos setores, interessadas em avançar em suas jornadas de transformação digital.

O modelo de trabalho da ODATA está pautado na compra de terreno, desenho do projeto, construção de arquitetura com subestação de energia particular e operação da planta com equipe própria.

O Brasil é o maior e mais rápido mercado de Data Centers da região e a ODATA tem a solidez necessária para capturar grande parte desse crescimento. Entenda por quê:

  • é uma empresa do grupo Patria Investimentos, um dos maiores gestores de investimentos alternativos centrado em ativos na América Latina, pioneiro na indústria de Private Equity no Brasil;
  • tem como uma de suas acionistas a CyrusOne, companhia norte-americana de investimento imobiliário (REIT) de alto crescimento, especializada em data centers carrier-neutral, de alta confiabilidade e de classe global. É um dos principais players internacionais do setor.

Quer saber mais sobre como a equipe ODATA pode impulsionar a evolução digital da sua empresa?

Converse com os especialistas da ODATA e receba recomendações sobre os melhores caminhos para acelerar a sua estratégia de nuvem.

Entre em contato e conheça mais sobre a ODATA, a mais moderna empresa de Data Center da América Latina

E-BOOKS exclusivos

Para você conhecer mais sobre o mundo do Colocation

O guia definitivo para migrar seu Data Center

Fazer o download

Entenda os fundamentos básicos para escolher um modelo de data center

Fazer o download

Assine nossa newsletter

Copyright © 2020 ODATA - Todos os direitos reservados.