Live Shopping

Live shopping: como o streaming está transformando as compras

Leitura de 7 minutos
11/05/22

A aceleração digital dos últimos anos, que se intensificou com a inserção de novas tecnologias em nossa rotina diária, vem sendo amplamente refletida em todos os setores – em especial, no varejo. E para os próximos meses, esperam-se diversos avanços, como a popularização do live shopping.

A verdade é que, hoje em dia, já não se pode imaginar a vida sem a internet. Usamos a conectividade para o desenvolvimento de negócios, transações financeiras e para o compartilhamento de dados, assim como para entretenimento e para compras online.

Você sabe como a sua empresa pode se manter ‘on’ e colher os benefícios de tudo isso?

Esse é o papel fundamental da conectividade de internet que, por sua vez, é sustentada por milhões de Data Centers mundo afora.

Quer entender o que fazer para não perder essa onda? Leia a seguir:

Live shopping, live commerce: entenda

Combinando entretenimento com compras instantâneas, a prática do live shopping oferece aos comerciantes, marcas e plataformas digitais um novo canal de vendas e de comunicação pela internet. E em tempo real, com enorme margem de engajamento e geração de valor.

Assim, o live commerce, termo usado para descrever a combinação de streaming de vídeo e e-commerce, promete revolucionar o setor varejista e os hábitos de compra do consumidor. Para se aprofundar no modelo de vendas ao vivo, é preciso avançar alguns passos no que se entende por comércio eletrônico atualmente.

Na prática, live shopping nada mais é que o ato de comprar (e live commerce, por sua vez, de vender) produtos on-line por meio de um vídeo transmitido ao vivo (streaming). Isso normalmente ocorre ao longo de um evento virtual, que conta com a presença de influenciadores como atração e estimula que a audiência interaja com a marca – e compre dela – em tempo real. A participação do público, de modo geral, ocorre por meio de uma função de bate-papo ou de botões de reação.

Para realizar um evento de live commerce, a empresa precisará de aplicações adequadas, como uma ferramenta de compras em vídeo ao vivo, de um bate-papo em tempo real e da integração com um carrinho de compras. Assim, o consumidor pode assistir, conversar e adquirir produtos e serviços de onde estiver.

Por esse motivo, o sucesso de uma empresa no cenário de live shopping dependerá, invariavelmente, da qualidade da conectividade de sua rede.

Receba conteúdos relevantes sobre Data Center, Modernização de Infraestruturas de TI e tendências tecnológicas da ODATA

Como os Data Centers garantem a conectividade em nossa sociedade digital

A sociedade está cada vez mais dependente da infraestrutura digital. Esta, por sua vez, está se tornando uma base crítica da economia mundial – isso porque a maioria dos serviços, hoje, é prestada pela internet. Uma infraestrutura digital sólida, portanto, é uma pré-condição para estabelecer-se a conectividade dentro da economia digital.

Existem centenas de milhares de quilômetros de cabos instalados em todo o mundo para fornecer conexão à internet. Aqui, a conectividade é facilitada não apenas por cabos físicos, mas baseada em uma rede composta por ISPs, provedores de internet, de hospedagem e de nuvem e, claro, os serviços de Data Center.

Os Data Centers são uma parte essencial da infraestrutura digital e podem ser vistos como peça-chave do ecossistema de provedores de diversos serviços digitais. Isso porque os cabos das redes convergem em um Data Center, onde os dados são, então, processados e armazenados. Desse modo, proporcionam acessibilidade e continuidade para que a economia digital funcione 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Assim, os Data Centers são uma parte crucial da entrega constante da Internet e, por isso, são projetados para reduzir o tempo de inatividade a zero. Por esse motivo, não é exagero afirmar que sem Data Centers não haveria conectividade digital, pois atuam como um hub de distribuição de dados.

A conectividade e os negócios

Um ponto importante a se lembrar é que as empresas têm requisitos de conectividade diferentes das necessidades dos consumidores finais. Enquanto, para as pessoas físicas, a velocidade geralmente é o fator decisivo, para as empresas, a confiabilidade da conexão é mais crítica, já que falhas e interrupções podem levar a altos custos e danos à reputação da marca.

Desse modo, as companhias estão, cada vez mais, usando a infraestrutura digital para fomentar seus serviços e operações internas de negócios.

Nesse cenário, a qualidade da conectividade é de extrema importância: uma conexão estável garante a continuidade. Também é crucial trabalhar com a menor latência (atraso) possível na transmissão de dados, aspecto que será mitigado com a difusão do 5G.


LEIA MAIS sobre o impacto do tempo de inatividade nos Data Centers


E é aqui, nesse ponto, onde passamos a entender a relação indissociável da conectividade com a prática de live commerce.

Casos de uso, como streaming de vídeo ao vivo e live shopping, assim como o uso de aplicações baseadas em realidade virtual, big data e Internet das Coisas exigem maior largura de banda. Isso, consequentemente, eleva a demanda por segurança e por capacidade de internet, além de continuidade e confiabilidade.

Assim, fica clara a relação da conectividade com o sucesso dos negócios – e aqui, em especial, na condução de um evento de live commerce.

Por que as transmissões ao vivo – e o live shopping – são tão úteis aos negócios?

De uma forma muito real, a pandemia da Covid-19 causou uma mudança permanente na forma como interagimos diariamente, mesmo em tarefas corriqueiras, como fazer compras. Nesse sentido, quando as lojas físicas pararam bruscamente, as pessoas tiveram que correr para alternativas digitais para atender às suas necessidades de consumo.

E foi assim que o “livestream e-commerce”, ou live commerce, despontou em 2020 como uma nova tendência e canal digital. Os benefícios das transmissões ao vivo foram colhidos pelas empresas e, por isso, até hoje, essa prática vem sendo considerada uma das principais tendências do futuro do varejo.

Veja algumas das principais razões:

  • Os consumidores querem transmissões ao vivo. Inegavelmente. Uma pesquisa da Livestream apurou que 82% das pessoas preferem vídeos ao vivo de uma marca a postagens de mídia social padrão. Tal demanda indica que as marcas que priorizam esse modelo conseguirão envolver seus seguidores de forma mais eficiente.
  • De acordo com a Forrester, vídeos ao vivo são vistos de 10 a 20 vezes mais do que o conteúdo sob demanda. Isso aponta que as transmissões em tempo real são consideravelmente mais envolventes do que outros tipos de conteúdo.
  • Outro bom indicativo da importância do streaming – e do live commerce, nosso objeto de estudo neste artigo – para os negócios é seu bom funcionamento nas redes sociais. Como exemplo, as transmissões ao vivo no LinkedIn aumentaram 158% em 2020, tendência espelhada em outras plataformas de mídia social.
  • Conhecer os hábitos do público também significa saber o que mais os influencia. De acordo com uma análise da consultoria McKinsey, os adultos da Geração Z derivam 75% de suas influências das mídias sociais, de conteúdo online e de celebridades; os millennials estão um pouco atrás, com 63%, seguidos pela Geração Z, com 53%, e pela Geração X, com 49%.
  • Além disso, atualmente, quase a metade dos indivíduos da Geração Z assistem seus programas favoritos ao vivo nas mídias sociais.
  • À medida que esses grupos mais jovens envelhecem, seu poder de compra aumentará, assim como sua presença no mercado. A geração do milênio, por exemplo, deve representar metade da população global até 2030.

Assim, empresas que apostarem agora na prática do live commerce, oferecendo uma experiência do cliente sem fricção nesse novo canal, estarão se antecipando a essa tendência muito previsível. Para isso, investir em um serviço de conectividade de qualidade aprimorada será fundamental.


LEIA MAIS: Entenda por que o Data Center é vital para a sustentação do e-commerce


Conclusão

Como vimos, o live commerce é uma prática que tende a se popularizar rapidamente. Isso se deve ao seu alto potencial de engajamento e de positividade na experiência do cliente no processo de compra com a marca.

Contudo, para que essa jornada transcorra de forma satisfatória, é crucial que a empresa invista na modernização de sua infraestrutura digital e, em especial, em um serviço de conectividade de ótima qualidade.

E uma das saídas mais eficazes para assegurar a performance online da companhia é a migração de seus Data Centers para a estrutura de um provedor especializado em Colocation. Quer saber mais sobre esse processo?

Fale com um especialista ODATA ODATA

LEIA TAMBÉM: Como evitar ciberataques aos pagamentos virtuais: entenda a importância da certificação PCI-DSS

E-BOOKS exclusivos

para você conhecer mais sobre o mundo do Colocation

Melhore os índices de sustentabilidade da sua empresa

Fazer o download

Entenda os fundamentos básicos para escolher um modelo de data center

Fazer o download

Assine nossa newsletter

A ODATA utiliza cookies para melhorar sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com essas condições.