Infraestrutura de Data Center: o coração tecnológico de toda empresa

Leitura de 9 minutos
22/06/22

*por Eliel Andrade, gerente de Produtos e Arquitetura de Soluções da ODATA

Muito se tem falado atualmente sobre a aceleração da digitalização e a rápida proliferação dos dados, que se tornaram ‘o novo petróleo’. Mas ainda vejo que, na prática, poucos sabem o que, efetivamente, é a estrutura que mantém toda essa engrenagem funcionando. E a verdade é que, hoje, já não se pode mais falar em evolução sem abordar a tecnologia dos Data Centers.

Mas afinal, o que é uma infraestrutura de Data Center?

Bem, simplificando-se a explicação técnica, pode-se dizer que Data Center nada mais é que uma instalação física que dá suporte às operações do negócio, acomodando aplicações, serviços e dados conforme demanda.

Neste centro de processamento de dados, como ficou inicialmente conhecido por aqui, há uma rede de recursos de computação e de armazenamento, além de diversos outros componentes como roteadores, switches, firewalls e servidores.

Entre suas principais funções, vale destacar que uma estrutura de Data Center é responsável por garantir o fornecimento de energia, a estabilidade da temperatura, o monitoramento preventivo nos equipamentos e a disponibilidade de conexão para, então, habilitar o tráfego de dados.

Se compararmos uma infraestrutura de Data Center ao corpo humano, ela poderia representar o sistema nervoso central de uma pessoa.”

Tipos de Data Center

A essa altura, você já deve estar convencido da importância dessa tal engrenagem do mundo tecnológico, mas também se perguntando sobre o modelo ideal para a sua empresa.

Bem, a verdade é que existem diversos tipos de Data Center para suprir diferentes tipos de demanda. Para ilustrar, é interessante olharmos quatro entre as principais opções existentes:

  • On-premise: geralmente, essas instalações são construídas pelas próprias companhias e mantidas por uma equipe interna especializada, que recorre esporadicamente ao auxílio de provedores terceirizados;
  • Internet Data Center: é um padrão que se baseia na estrutura de cloud computing, consolidando-se como um modelo digital de Data Center;
  • Hosting: esse modelo prevê o uso da infraestrutura de um terceiro, como um provedor de serviços, mas com características semelhantes às do Data Center corporativo;
  • Colocation: nesse modelo, a companhia contrata, como serviço, o espaço físico (que pode variar de um rack a até um edifício ou condomínio inteiros) de um Data Center construído e mantido por um provedor especializado. E lá, instala e mantém seus equipamentos.
Receba conteúdos relevantes sobre Data Center, Modernização de Infraestruturas de TI e tendências tecnológicas da ODATA

Como é a infraestrutura de um Data Center?

Bem, apesar de ser uma questão bem ampla, é possível afirmar que uma infraestrutura de Data Center apresenta aspectos bastante específicos. E que, de modo geral, tem como característica padrão a flexibilidade, tão necessária para acompanhar as evoluções dos equipamentos tecnológicos utilizados no ambiente corporativo.

Impreterivelmente, ela também precisa ser escalável. Ou seja, ter a capacidade de atender não somente às necessidades atuais, mas de acomodar as demandas futuras da sua empresa, sem que a rede sofra qualquer tipo de interrupção.

Por sua vez, essa infraestrutura, independentemente do tipo ou modelo adotado, deve garantir requisitos essenciais, principalmente no que tange aos sistemas de infraestrutura elétrica, climatização e segurança.

Como os Data Centers funcionam

Dentro do Data Center, além dos componentes em si, como computadores e roteadores, pode-se dividir o funcionamento da tecnologia em três grandes pilares:

  • Em primeiro lugar, é preciso citar os recursos computacionais, que respondem não apenas pelo processamento, mas pela memória e armazenamento local;
  • Há também a infraestrutura de rede, que é responsável pela conexão entre servidores físicos e virtuais e a dos próprios serviços do Data Center;
  • Por último, existe a infraestrutura de armazenamento, que tem a incumbência de guardar grandes volumes de dados, sejam eles sensíveis ou não

LEIA MAIS AQUI: Data Center: saiba tudo sobre essa estrutura crucial para os negócios


Agora, vale entendermos bem algumas de suas funções principais:

#1. Energia

A energia, sem dúvida, é um dos recursos mais importantes em um Data Center. Sem ela, nada funciona! Assim, um centro de processamento de dados (CPD) deve reunir as seguintes estruturas e equipamentos para assegurar a entrega da energia:

  • Subestação: instalação elétrica formada por um conjunto de equipamentos responsáveis pela transmissão e pela distribuição da energia elétrica, além de equipamentos de proteção e controle. Entre eles, os transformadores são responsáveis pelo o aumento ou pela diminuição da tensão, assegurando uma entrega estável;
  • Banco de Baterias: são equipamentos preparados para serem acionados automaticamente em caso de falta de energia não programada da fonte de alimentação principal
  • UPS: podemos dizer que são ‘No Breaks gigantes’. Comutam automaticamente da concessionária para alimentação pelos bancos de baterias, mantendo o funcionamento do Data Center por determinado tempo.
  • Geradores: são equipamentos de backup acionados automaticamente em caso de falhas no sistema de alimentação da concessionária principal

#2. Climatização

Se você já entrou em um Data Center já sentiu muito frio lá dentro. Isso é necessário porque a temperatura nesses locais pode de fato ser muito alta, em decorrência da grande quantidade de máquinas alocadas e uma mesma instalação física.

Para termos uma ideia, sem ar condicionado, em cerca de 5 minutos a temperatura da sala, onde ficam os racks com os computadores de uma empresa, poderia atingir 70ºC. E como consequência, isso ocasionaria a parada das máquinas, podendo até vir a danificar muitas delas.

Por isso, impreterivelmente, os Data Centers devem reunir equipamentos como: 

  • Chillers: Podemos entendê-los como grandes resfriadores de água. Eles produzem água gelada para arrefecer ou resfriar o ar, produtos ou equipamentos conforme necessidade;
  • Tanques de Termoacumulação: mantêm um ‘pulmão’ de água gelada suficiente para manter o sistema de refrigeração em perfeito funcionamento, até a retomada dos chillers;
  • CRAH: Adequados ao uso contínuo. Além de características como controle extremo de temperatura e de umidade, alta capacidade de remoção de calor sensível, alta vazão de ar, baixo ruído, baixo consumo, entre outras.

Aqui na ODATA, trabalhamos com o sistema Free Cooling, que aproveita as condições exteriores para reduzir o consumo elétrico, com o desligamento de compressores do chiller e resfriamento pelo ar ambiente. Dessa forma, conseguimos reduzir o desperdício e consumo de energia em dias mais frios, o que ajuda na diminuição do PUE (Power Usage Effectiveness).


LEIA TAMBÉM: Entenda porque terceirizar o Data Center pode melhorar os índices de sustentabilidade da sua empresa


#3. Conectividade

De forma sucinta, conectividade é a qualidade, estado ou habilidade de se estabelecer uma conexão, de ser conectivo, de estar-se conectado a determinada superfície.

O Data Center é um dos principais responsáveis pelo funcionamento de toda a arquitetura de TI. Assim, abrange funções como hospedagem de sites, e-mails e serviços de colaboração, suporte a aplicações de armazenamento em nuvem, transações de comércio eletrônico e comunidades de jogos online, além de backup e redundância.

Dessa maneira, podemos ver que a conectividade de internet é uma de suas características essenciais.

E, por isso, é importante fazermos a importância das estruturas Carrier Neutral. Por definição, os Data Centers neutros em conectividade permitem a interconexão entre várias operadoras de telecomunicações e/ou provedores de internet.

Isso significa que, caso o serviço de internet entregue pelo provedor de preferência do cliente venha a falhar, automaticamente o gestor do Data Center migra sua rede para o serviço de outro fornecedor que esteja em pleno funcionamento. Assim, os usuários dessa organização não sofrerão qualquer tipo de impacto com a interrupção na entrega da conexão de internet.

Segurança

Quando se pensa em Data Center a segurança deve ser sempre um critério de primeira importância – seja ela patrimonial, física ou cibernética. E para que seja garantir todas as condições necessárias à proteção dos equipamentos da empresa, o Data Center devem dispor, inicialmente, de diversas camadas de segurança física. Entre elas, podemos citar:

  • Nível 1 – Perímetro externo e recepção: apresentação de documentos na entrada, registro da visita, entre outras atividades;
  • Nível 2 – Corredor de acesso a porta do DC. Normalmente, para se ter acesso a esses espaços, existem as portas eclusas;
  • Nível 3 – Corredor de acesso às salas de TI: somente pessoas autorizadas e acompanhadas podem acessar esse espaço, sendo obrigatório a leitura do cartão de acesso;
  • Nível 4 – Sala de TI: somente pessoas autorizadas com a leitura de crachá e biometria;
  • Nível 5 – Rack de TI: somente pessoas que possuam o acesso anterior, mais a chave de acesso ao rack

LEIA MAIS: Segurança do Data Center: como mitigar ameaças físicas, humanas e digitais


Gestão

  • BMS: Data Centers modernos normalmente incorporam um sistema de gerenciamento predial (building management system – BMS) projetado para ajudar os líderes de TI e de negócios a supervisionar o ambiente em tempo real. Isso inclui supervisão de temperatura, umidade, níveis de energia e refrigeração, bem como registro de acesso e segurança;
  • Salas de TI: aqui é onde realmente tudo acontece! Isso porque as salas de TI são, efetivamente, o ‘coração do Data Centers’, por serem os locais físicos onde se encontram os racks com milhares de dados rodando…

Conclusão

Enfim, poderíamos ficar aqui discorrendo por muito mais tempo sobre os equipamentos e funções essenciais para o funcionamento de um Data Center.

Mas, por ora, o mais importante é que você compreenda que a infraestrutura de Data Center é o centro tecnológico das operações empresariais modernas. Ele fornece o organismo crítico de TI necessário para que a empresa possa entregar recursos e serviços a funcionários, parceiros e clientes.

Cada organização tem características e necessidades específicas, que precisam ser avaliadas por profissionais especializados. Assim, uma empresa de pequeno portes pode começar implementando um DC útil dentro dos limites de um armário, ou outra sala conveniente, com poucas adaptações.

No entanto, ao passo em que começa a crescer e suas atividades passam a depender mais e mais da infraestrutura de rede, produzindo e trafegando mais dados, a escala envolvida na computação corporativa exigirá um grande espaço dedicado.

Aqui, esse Data Center deve ser cuidadosamente projetado para suportar as necessidades de espaço, energia, refrigeração, gerenciamento, confiabilidade e segurança da infraestrutura de TI.


Precisa de ajuda para projetar o melhor modelo de Data Center para o seu negócio?

Fale com um especialista ODATA ODATA

LEIA TAMBÉM: Data Center no Brasil ou no exterior: como escolher a melhor opção para o seu negócio

E-BOOKS exclusivos

para você conhecer mais sobre o mundo do Colocation

Melhore os índices de sustentabilidade da sua empresa

Fazer o download

Entenda os fundamentos básicos para escolher um modelo de data center

Fazer o download

Assine nossa newsletter

A ODATA utiliza cookies para melhorar sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com essas condições.