Data Centers verdes: eficiência energética superior, com impacto ambiental reduzido

Leitura de 13 minutos
12/06/24

O aumento no consumo energético está sendo visto como um dos desafios mais significativos da era digital. A crescente necessidade de processamento de informações, impulsionado pelo uso intensivo de tecnologias como inteligência artificial (IA), machine learning e as criptomoedas, tem exercido uma pressão considerável sobre a infraestrutura energética global. Em meio a esse cenário, a adoção de práticas sustentáveis, como a construção de Data Centers verdes, torna-se essencial para a mitigação do impacto ambiental.

Alguns países no mundo já enfrentam desafios para manter sua disponibilidade energética, o que já está causando dificuldades na manutenção da eficiência operacional e à ampliação dos centros de dados nestes locais. Isso se deve ao aumento expressivo no consumo elétrico, que avança substancialmente para dar suporte às atividades massivas de processamento de informações. Diante desse panorama, tornou-se uma prioridade do setor buscar alternativas energéticas viáveis e sustentáveis – inclusive produzidas em outros países.

Neste cenário, o Brasil tem se destacado como uma opção atrativa para o estabelecimento de centros de dados sustentáveis, beneficiando-se das condições naturais favoráveis à geração de energia limpa. O País, hoje, dispõe de uma ampla oferta derivada de sua matriz energética limpa, com forte presença das fontes eólica e solar. Saiba mais a seguir:

Cenário global: a questão da energia e o papel dos Data Centers verdes

O aumento no consumo energético em escala mundial tem levado grandes corporações, especialmente as do ramo da tecnologia, a buscar opções mais sustentáveis para suas infraestruturas de dados. Com o avanço no uso das novas tecnologias digitais, como inteligência artificial, machine learning e criptomoedas, a pressão sobre a rede energética se tornou ainda maior.

De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), a procura global por energia elétrica deve aumentar a uma taxa anual de 3,4% até 2026. No caso dos Data Centers, espera-se um aumento significativo na demanda: em 2022, o consumo desses centros de dados foi de 460 terawatts-hora (TWh), e estima-se que virá a ultrapassar os 1.000 TWh até 2026.

Diante desse cenário, as empresas têm considerado, de forma significativa, a migração de suas operações para instalações ecologicamente corretas, alocadas em países que dispõem de uma profusão de fontes renováveis, como energia solar e eólica. Isso porque esses Data Centers verdes não apenas suprem a florescente demanda por energia e água de forma ambientalmente responsável, mas também auxiliam as companhias na conquista de suas metas de redução das emissões de carbono e no compromisso com o meio ambiente.

Brasil: capacidade energética como atrativo para Data Centers sustentáveis

De acordo com o levantamento da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), em março de 2024, o Brasil alcançou a marca dos 200 gigawatts (GW) em capacidade centralizada, sendo que 84,25% de sua matriz energética provém de fontes renováveis, contra 15,75% do total sendo provenientes de fontes não renováveis (1% nuclear).

Atualmente, as três maiores fontes renováveis que compõem a matriz de energia elétrica brasileira são: hídrica (55%), eólica (14,8%) e biomassa (8,4%); já entre as fontes não renováveis, as maiores são: gás natural (9%), petróleo (4%) e carvão mineral (1,75%).

Com sua abundante capacidade energética e oferta de recursos naturais, o Brasil se destaca como um local estratégico para atrair investimentos internacionais destinados à criação de Data Centers sustentáveis. Dessa forma, organizações que buscam operar de maneira eficiente e com menor impacto ambiental encontram aqui um ecossistema favorável para expandir suas operações de maneira competitiva e amigável ao meio ambiente.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o diretor de Vendas, Finanças e Desenvolvimento de Negócios da ODATA explicou: “Por estar no Brasil, já contamos com uma matriz de energia renovável. Fizemos investimentos em um parque de geração eólica e nos tornamos autoprodutores”, ressaltando que a empresa tem quatro Data Centers em operação no País e outros quatro em construção – todos com circuito fechado de água.

“Do ponto de vista energético, o Brasil é muito atrativo para o mundo, para passar pela revolução de IA de maneira sustentável”.

Fernando Jaeger

Assine a newsleter Data Center Insights

A importância dos Data Centers verdes para a eficiência energética

De modo geral, os Data Centers verdes são projetados para reduzir o consumo de recursos naturais, como energia e água – e, por sua vez, o impacto no meio ambiente, desempenhando um papel essencial na transição para fontes de energia mais limpas. Assim, estão na vanguarda do desenvolvimento e da adoção de geração de energia renovável, além da infraestrutura necessária para apoiar a integração das fontes energéticas e a eletrificação dos dispositivos eletrônicos.

Essa combinação de desafios e oportunidades faz dos centros de dados sustentáveis uma parte indispensável da infraestrutura da economia contemporânea, promovendo práticas energéticas eficientes e sustentáveis.

Com a crescente demanda por processamento de informações propelida por tecnologias como inteligência artificial, machine learning e criptomoedas, a necessidade energética dos centros de dados tem crescido consideravelmente. Isso coloca pressão significativa sobre a infraestrutura energética global. Em resposta, os Data Centers sustentáveis estão adotando estratégias inovadoras para diminuir seu consumo energético e mitigar seu impacto ambiental.

Essas estratégias incluem o uso cada vez maior de fontes renováveis, como solar e eólica, juntamente com a aplicação de tecnologias avançadas para refrigeração, como free cooling e resfriamento líquido.

Vantagens dos Data Centers sustentáveis

Os Data Centers sustentáveis apresentam uma variedade significativa de benefícios. Inicialmente, auxiliam na redução dos custos operacionais por meio da eficiência energética e do uso de energias renováveis. Adicionalmente, esses centros contribuem para diminuir a pegada de carbono, promovendo práticas ecologicamente responsáveis. Empresas líderes em tecnologia, como algumas das big techs sediadas nos Estados Unidos, estão na vanguarda da adoção de práticas sustentáveis.

Além dos benefícios ambientais e econômicos, os Data Centers sustentáveis são essenciais para impulsionar o crescimento econômico. Eles fornecem a infraestrutura digital necessária para a economia moderna, que cada vez mais depende de tecnologias avançadas para operar de forma eficiente e sustentável.

A implementação de práticas verdes não apenas melhora a reputação das empresas, mas também atende às exigências regulatórias e às expectativas dos consumidores por operações mais ecológicas e responsáveis. Ao transferir suas operações de dados para Data Centers verdes administrados por provedores especializados, as organizações podem garantir uma operação mais eficaz e sustentável, além de obter vantagens competitivas significativas.


SAIBA MAIS: Revolucionando a infraestrutura de dados: entenda o papel da autoprodução de energia


Certificações: como saber se um Data Center é sustentável?

Para atestar que suas estruturas de dados são efetivamente constituídas como Data Centers verdes, as empresas devem considerar uma série de requisitos ao construir ou reformar as instalações. Além disso, é recomendado buscar certificações reconhecidas globalmente, para que validem suas práticas sustentáveis e transmitam confiabilidade aos usuários. Algumas das principais certificações incluem:

  • LEED (Leadership in Energy and Environmental Design): essa certificação, oferecida pelo Conselho de Construção Sustentável dos EUA, avalia o design, a construção e a operação de edifícios sustentáveis, incluindo os Data Centers. Assim, o LEED certifica práticas como eficiência energética, uso de materiais sustentáveis e gestão da água;
  • Certificação Tier de Sustentabilidade Operacional (Uptime Institute’s Tier Certification of Operational Sustainability – TCOS): analisa a sustentabilidade operacional dos Data Centers, levando em consideração aspectos como eficiência no uso de energia e gestão ambiental;
  • ISO 14001: esta norma internacional estabelece os critérios para a composição de um sistema de gestão ambiental, oferecendo a estrutura que uma organização pode seguir para criar este sistema de forma eficaz, ajudando a reduzir os impactos ambientais e a melhorar continuamente suas práticas sustentáveis;
  • ISO 50001: estabelece os requisitos para implementar, manter e melhorar um sistema de gestão de energia, permitindo que as organizações utilizem energia de maneira mais eficaz;
  • Energy Star: é um programa do governo dos EUA, que certifica produtos e práticas que promovem a economia de energia. Assim, os Data Centers que recebem a certificação Energy Star demonstram um comprometimento com a eficiência energética;
  • Green Globes: trata-se de um sistema de certificação para construções ecologicamente corretas, que avalia o impacto ambiental de novas construções e grandes reformas. É flexível e reconhece uma variedade ampla de práticas sustentáveis.

Certificações como essas garantem formalmente as práticas sustentáveis implementadas pelos Data Centers, assegurando que atendem aos mais altos padrões em eficiência energética e de responsabilidade ambiental. Ao procurar por essas certificações, as organizações reiteram seu comprometimento com a sustentabilidade e podem transmitir aos clientes a segurança de que estão agindo de maneira amigável ao meio abmbiente.


LEIA TAMBÉM: ISO 14001: entenda a importância para os negócios e para o seu Data Center


Práticas sustentáveis em Data Centers ecologicamente corretos

Os provedores especializados em serviços de Data Centers que já investem no desenvolvimento de campus ecologicamente corretos empregam uma variedade de tecnologias para atingir seus objetivos sustentáveis.

Um exemplo disso é a ODATA, que investiu em um parque eólico e se tornou energeticamente autossuficiente, passando a alimentar suas unidades brasileiras com energia limpa. Em 2022, a organização assinou com a Serena (antes chamada de Omega Energia) um contrato de participação no parque eólico Assuruá IV, tornando-se o primeiro provedor de serviços de Data Center em hiperescala na América Latina a gerar a própria energia no local para todas as operações de seus campi no País.

Sistemas inovadores de refrigeração

O resfriamento é uma das principais preocupações para garantir a operação eficaz dos Data Centers. Métodos como circuito fechado de água, refrigeração livre, que utiliza ar externo para resfriamento, e refrigeração líquida, que direciona o líquido refrigerante diretamente aos servidores, associados a outras técnicas avançadas como captação de água da chuva e microusinas solares, já são amplamente adotados no País para reduzir tanto o consumo de água quanto de energia.

No caso dos Data Centers ODATA, um importante diferencial é a implantação do sistema Free Cooling, que aproveita as condições exteriores para reduzir o consumo elétrico, com o desligamento de compressores do chiller e resfriamento pelo ar ambiente. Dessa forma, a empresa minimiza o desperdício e, também, o consumo de energia em dias mais frios, o que contribui para a redução do PUE (Power Usage Effectiveness).

Design e arquitetura sustentáveis

Entre outras premissas, os Data Centers verdes são projetados para maximizar a eficiência energética e diminuir o desperdício. A utilização de sistemas fechados para circulação da água é uma prática comum nesse contexto, reduzindo assim o consumo dos recursos naturais.


LEIA MAIS: Soluções de energia e resfriamento: saiba como otimizar a eficiência do seu Data Center


Obstáculos para a implementação de Data Centers verdes

A implementação de centros de dados sustentáveis pode ser desafiadora, entre outros motivos, devido aos investimentos iniciais elevados e à complexidade das regulamentações. No entanto, os benefícios a longo prazo, como a redução de custos e a conformidade com as normas regulatórias, compensam essas dificuldades. Entre os principais, vale destacar:

  • Custos iniciais e retorno sobre o investimento: os investimentos necessários para construir Data Centers verdes são significativos. Contudo, o retorno sobre o investimento (ROI) é positivo no longo prazo, graças à economia nos custos operacionais e aos benefícios fiscais relacionados às práticas sustentáveis. Além disso, a crescente demanda por serviços nesse tipo de estrutura impulsiona o mercado e torna o investimento mais atrativo.
  • Complexidade regulatória: regulamentações e licenciamentos podem representar obstáculos significativos para a implementação de centros de dados sustentáveis. No entanto, as políticas governamentais vêm se tornando mais favoráveis à sustentabilidade, oferecendo incentivos fiscais e programas de apoio. A colaboração entre o setor privado e os órgãos reguladores é fundamental para superar esses desafios.

LEIA TAMBÉM: Entenda porque os Data Centers precisam da energia renovável


O futuro dos Data Centers verdes

O horizonte dos centros de dados sustentáveis é promissor, com previsões de um aumento contínuo na adoção de práticas ambientalmente amigáveis. Isso porque a demanda por infraestrutura digital eficiente e sustentável está crescendo exponencialmente, motivada pelo avanço da economia digital e pela necessidade de reduzir as emissões de carbono.

Empresas de tecnologia e provedores de serviços de Data Center estão liderando essa transformação, implementando medidas que não só atendem às necessidades presentes, mas também preparam o terreno para um futuro mais sustentável. De fato, o compromisso com a sustentabilidade está se tornando um diferencial competitivo, atraindo clientes e investidores que apreciam práticas empresariais responsáveis.

Inovações tecnológicas

A aplicação de tecnologias como a internet das coisas (IOT) e a inteligência artificial na gestão energética viabilizam a otimização do consumo energético, identificando padrões e ajustando o uso dos recursos em tempo real. Da mesma forma, o uso de componentes sustentáveis na construção, como materiais reciclados e com baixo impacto ambiental, também está ganhando destaque.

Além disso, sistemas avançados de arrefecimento, que empregam técnicas como resfriamento livre e refrigeração líquida, estão sendo adotados para aumentar a eficiência energética. Essas inovações não apenas reduzem o consumo energético e o impacto ambiental, mas também contribuem para diminuir os custos operacionais, tornando os Data Centers verdes economicamente viáveis.

A verdade é que a migração para centros de dados ecologicamente corretos não só impulsiona o crescimento econômico, mas também fomenta a sustentabilidade nas comunidades. Os investimentos em infraestrutura sustentável geram empregos, impulsionam a economia local e contribuem para a preservação do meio ambiente.

Hoje, empresas como a ODATA estão na vanguarda desse movimento, demonstrando o potencial dos Data Centers verdes para transformar o potencial de uso da tecnologia no dia a dia de negócios e indivíduos. Essas companhias estão apostando em práticas inovadoras e sustentáveis, desde a utilização de fontes de energia renováveis até a adoção de sistemas de gestão ambiental certificados.

Ao promover um ambiente de trabalho sustentável e apoiar o desenvolvimento econômico local, os Data Centers sustentáveis estão se tornando pilares fundamentais para um futuro mais equilibrado e próspero.


LEIA TAMBÉM: Práticas sustentáveis com IoT: como a tecnologia pode promover um futuro mais verde


Precisa de ajuda para melhorar os indicadores de sustentabilidade da sua operação?

Fale com a ODATA

E-BOOKS exclusivos

para você conhecer mais sobre o mundo do Colocation

E-Book: Tendências Tecnológicas 

Fazer o download

Melhore os índices de sustentabilidade da sua empresa

Fazer o download

Assine nossa newsletter

A ODATA utiliza cookies para melhorar sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com essas condições.